quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Rádio Digital: atenção!

Apesar do governo federal estimular e querer que as novas tecnologias digitais sejam implantadas o mais breve possível, é preciso que nós jornalistas estejamos atentos a este processo de mudanças. Primeiro, que devemos entender algumas diferenças:
* o Digital do qual o governo fala é o meio de transmissão, formado por planta transmissora formada por links, torre e antenas para emissoras com concessão do governo. Imaginem o custo para estas emissoras trocarem todos estes equipamentos!!
* o Digital da internet é diferente, pois não exige concessão (qualquer um cria sua rádio), nem planta transmissora. Basta uma conexão com a internet, um bom servidor, um bom acervo musical, um software (existem livres disponíveis no mercado) e a aplicação.
No caso da Rádio Digital, no Rio Grande do Sul, as emissoras filiadas à AGERT estão muito reticentes à implantação do processo, principalmente devido às dificuldades físicas. Em recente congresso realizado em Canela, no mês de novembro, técnicos de emissoras gaúchas que fazem testes afirmaram que a qualidade do som é melhor onde a estação é captada pelos receptores. Contudo, fica nítido o retardo de sinal (delay) e quando ele começa a ficar mais fraco acaba não pegando ou distorcendo, além de diminuir consideravelmente a distância de captação.
No mesmo encontro da AGERT, outro especialista vindo do Paraná criticou de forma veemente o modelo digital. Parece uma certa resistência à nova tecnologia de parte dos donos de emissoras e dos próprios técnicos, porém deve-se entender como uma precaução de fazer um investimento elevado numa área ainda em estudos e permanente evolução.

Um comentário:

Blog do Póvoas - Jornalismo, Literatura e Café disse...

Pois então, será que vinga a rádio digital? Deveria ser posta em prática antes da televisão, mas...